OUTRA VEZ

Nado num imenso desaguar. E a areia não me conforta.
Temo pelo adeus e temo pelo fica cá.
Esbracejo à costa e despejo-me.
Nada, digo eu, nada.

De que serve não chorar e para quê não mentir e não sorrir demais?

Vou partir o barco que me leva a esperança.
Vou embora de mim outra vez.
Vou em vão.

4 comentários:

fran.portugalyap disse...

nao pares de NADAR no imenso desaguar das LETRAS.......

Ana disse...

Nado, nado e despejo-me...

Basilio Almeida disse...

" Vou embora de mim outra vez",gosto do que nos dizes,gosto e faz-me lembrar outros tempos..outras vidas.
O semblante que me deixas,é o de envolvimento como se sentisse o ruido da mao que segura a pena...nao sei,mas gosto.
no Hi5 como Lunatic Attorney

Ana disse...

Olá Basílio

Obrigada pelo comentário. Gostei.
São realmente outros tempos, outras vidas.
Fico contente que tenhas gostado.
Vemo-nos no hi5 ou por aí.