QUE COISA ESTRANHA

Fiquei sem voz de pensar alto em ti.
Olhei a toda a volta e devorei o ar.
Dormi três noites e três dias sem parar.
E voei todo o espaço à volta do que nos envolvia.
Não queria deixar memória nenhuma à solta.

Cortei rente o esforço e lancei-me na procura de outro dia.
Mal te encontrava aí fechada.
Mal te via com esses olhos.
Assim disfarçada.
Era o amor que me impedia de te ter
Que coisa estranha, dizias.

E eu expliquei-te que nem sempre a vida é simples.
Às vezes é preciso esperar muito até a felicidade vir correr ao nosso lado.

2 comentários:

miguel disse...

Ola ... parabens pelo que escreves.. é claro que nao te conheço pessoalmente, mas ja da para ver o tipo de pessoa que tu és.. nao mudes essa tu veia romantica/escritora..tou adorar ler o que transmites.. Es um doce.. parabens uma vez mais..
Beijinhos.. Pessoa assim fazem falta neste mundo ... Ja és parte da minha amizade..Tudo de bom. Bjs

Ana disse...

Olá Miguel, obrigada... ainda bem que gostas. Espero poder continuar a falar contigo... vai aparecendo!!