MAIS DO QUE PALAVRAS

passeio sozinha no jardim das traseiras do mundo
sinto o cair da noite pesar-me na alma vazia
faço um esforço para me erguer do fundo do meu desalento
tremo de frio da vida que me espera além desta esquina ferida
acaricio a minha pouca esperança ao de leve e digo alto que a manhã me há-de mostrar o caminho

15 comentários:

Ana Simões disse...

Ana,
Parabéns, gosto imenso do que escreves!
Mtos bjs, continua!

Ana disse...

Obrigada Ana...

Fico muito contente que gostes.

Beijinho

anderson disse...

Sempre há uma luz no fim do túnel...

Ana disse...

Às vezes é uma luz bem ténue.
Às vezes não se vê...
e temos de seguir às escuras até ela aparecer.

Alda disse...

Olá Ana!
Obrigada pelo convite.
Gostei muito do que li mas soube-me a pouco!
Como posso ler mais ou adquirir o livro?
Beijinho
Alda

Ana disse...

Olá Alda
Que bom que gostou!!
O livro está disponível nas livrarias daqui a duas semanas... depois digo-lhe em quais.
Beijinho
Ana

Gosto disse...

Existe um jardim nas traseiras do mundo?! Paraste para cheirares as flores? E as cores?
Ana, se lá voltares, mas num dia de Sol, conta-me da tua viagem. Ou melhor, deixas-me ir contigo?
Gostava...

Aprecio bastante a tua maneira de escrever e identifico-me! Bjs :)

Ana disse...

Gosto (ou devo tratar-te por Gostas?)

Sim, são mais do que palavras. Existe mesmo um jardim das traseiras do mundo. Parei muitas vezes para cheirar a noite...
As cores do dia de sol têm menos para dizer. Mais para ver. Podes lá ir, se eu lá estiver, vemo-nos.
(ou devo tratar-te por Gostava(s)?)

Fico contente. Acho que identificação entre as palavras e para além delas é muito muito positivo.

Beijinho e obrigada

Ana

Haere Mai disse...

Mas tu escreves lindamente! Quero-te no luso poemas! Faz favor de aparecer!....ou já la estas e não sei?...Vá lá! diz-me!

AFAGOS DE CRISTAL

Viajo nas águas calmas
de intrepidas noites de mim
as musicas em tons suaves
dissertam os teus versos
em cadencias sensoriais

A distancia entorpecida
das marés
colhem o teu olhar
visto a penugem do paraíso
perpetuando corais
vivos em mim

Afagos cristalizados
em vagas idílicas
nos rochedos desenhando
a tua esfinge delicada

As correntes em azul
que te cercam e idolatram
escorrendo nuvens
em algodão doce
idealizando o astro rei
em pétalas gérberas
nos tons que sabes
e nas palavras
que não te direi.



By beijo azul@

Ana disse...

Olá Azul.
Obrigada.
Tenho lido coisas muito bonitas tuas.
Não estou no luso poemas.
Mas vou passar por lá.
Beijinho

Menina Marota disse...

Porque o caminho é feito de pequenos nadas, que vão crescendo na nossa mente...e diluem-se na nossa alma.
Gosto da tua forma de te expressares.

Bj

Ana disse...

Olá Menina

Sim, o caminho faz-se de nadas.
E ouvi alguém dizer que quando finalmente percebemos que a vida não sentido nenhum, a única coisa que temos a fazer é dar-lhe um.

(quase que cito)

Beijinho e obrigada

Ana disse...

percebemos que a vida não faz sentido nenhum...
era o que eu queria dizer

Menina Marota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Menina Marota disse...

A Vida tem o sentido que lhe quisermos dar... está dentro de nós descobrirmos efectivamente isso.

Bj